Razões que levam ao empreendedorismo

acção-empreenderSer empreendedor é algo que nem todos conseguem suportar e um estilo profissional singular a que muitos não são capazes de se adaptar devido às exigências que lhe são características e às particularidades que fazem desta qualidade o que é. No entanto, a vida reserva desafios aos quais é preciso responder e isso obriga por vezes a trilhar caminhos alternativos para vencê-los e seguir em frente. É precisamente esta a diferença fundamental entre o empreendedor por oportunidade e o empreendedor por necessidade, perfis distintos de uma mesma realidade, o empreendedorismo.

Oportunidade forjada ou descoberta

Há exemplos de um vasto leque de negócios nascidos de uma mera ideia aparentemente sem qualquer valor e outros surgidos na sequência da identificação de uma necessidade para a qual não existia resposta. São estes os cenários de “invenção” do empreendedor por oportunidade, uma pessoa que através do pensamento aleatório ou da habilidade de detectar carências tem o discernimento para reunir todas as condições imprescindíveis à transformação em realidade de algo resultante de um positivo momento cerebral.

Naturalmente que esta categoria exclui todos os que embora se tenham apercebido da oportunidade dela não usufruíram por deixarem cair no esquecimento ou no fracasso a sua concretização, inviabilizando dessa forma a verificação prática da sua utilidade e das perspectivas de sucesso antevistas no planeamento inicial, fase que antecede o encetar da materialização das concepções de negócio organizadas.

Necessidade de novo rumo

Embora se gostasse de afirmar que os portugueses são empreendedores pura e simplesmente pela sua capacidade, o que não é inteiramente falso, a verdade é que boa parte dos cidadãos nacionais que se tornam praticantes do empreendedorismo fazem-no por obrigação, ou seja, pelo facto de já não terem possibilidade de gerar rendimento trabalhando por conta de outrem em virtude do despedimento ou da excessiva redução de vencimento.

Contudo, existe também uma outra vertente, a dos casos em que essa necessidade assume contornos não tão drásticos, aquelas situações relativas aos profissionais descontentes com o seu actual posto de trabalho e que por esse motivo decidem embarcar na aventura de criar o seu próprio emprego, tomando assim as rédeas da sua carreira tendo em vista o alcance de objectivos traçados.



AVISO:Todos os artigos publicados são puramente informativos e não podem ser confundidos com aconselhamento.